Avançada

Fundarpe - Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco

Notícias

31.03.2012 - 16h03

Siba Veloso mostra o seu “Avante” na segunda noite de shows do Festival da Mata Norte

Na mesma noite ainda se apresentaram Sérgio Ferraz, Zé Galdino, Baiana System e Tribo de Jah

Julya Vasconcelos

Clara Gouvêa

Descrição da imagem

Show de Siba em Goiana

É com a música Avante, que dá nome ao seu mais recente trabalho, que Siba Veloso abre a esperada apresentação em Goiana, na noite desta sexta-feira. É a segunda vez que leva o trabalho à região da Mata Norte, mas a primeira vez na cidade de Goiana. Os versos fortes da música, de cadência que lembra em muito a dos cantadores, e que falam sobretudo de um fazer poético estancado que depois acaba por explodir novamente, são acompanhados por guitarra, teclados, trombone e bateria, já marcando um novo território musical. Na letra que deixa entrever momentos muito pessoais, Siba fala de dentes travados, de nó nas entranhas, de ferrugem na garganta, deixando claro que o seu avante é em direção ao que já o acompanha desde sempre: a palavra. Avante “fala da quebra do bloqueio, fala da coisa da poesia pra ser cantada, do ofício do poeta que canta. E vem de um período que eu passei muito bloqueado, por conta de várias questões que envolveram a concepção desse trabalho”, diz Siba (Leia aqui a íntegra da entrevista concedida pelo músico).


O público responde à guitarra e à poesia de Siba cantando as letras, dançando na frente do palco. Além dos goianenses, que assistem ao show tanto em frente ao palco quanto da varanda das casas na Rua da Baixinha, onde o palco está montado, ainda vieram grupos de outras cidades, inclusive de Recife, apenas para ver o show. “Eu escuto daqui vocês cantando, não pensem que não”, diz Siba em um dos muitos momentos nos quais se podia ouvir um coro o acompanhando. Além de Avante, Siba ainda cantou , dentre outras, “A Bagaceira”, “Brisa”, ‘Cantando ciranda na beira do mar”, “Canoa Furada”, e a linda “Bravura e Brilho”, que dedicou, no show, ao Mestre Biu Roque.  


Terminou o show com o que chamou de “a pedra mais preciosa da Mata Norte, o Maracatu de Baque Solto”, e fechou a noite, debaixo de palmas, presenteando os Goianenses com um canto de improviso: “hoje eu saio de Goiana/feliz igual um menino /porque meu show foi legal/e ainda abri pra Zé Galdino”. 


Nesta mesma noite apresentaram-se no palco principal o músico Sérgio Ferraz, o cirandeiro Zé Galdino, o grupo baiano Baiana System e fechando a noite Tribo de Jah.


O violinista Sérgio Ferraz, líder do grupo Sonoris Fabrica, mostrou ao público o seu trabalho solo  “Dançando aos pés de Shiva”. Com violino elétrico, cajón, pandeiro e baixo elétrico, o  trabalho de Ferraz é influenciado pelos timbres indianos com pitadas de música contemporânea. Um dos pontos altos do show foi a execução da música “O Grande Vishnu”, na qual Sérgio, sozinho no palco, desenvolve um solo que prendeu a atenção do público. O músico foi bastante aplaudido. Fechou sua apresentação com a música “A sublime ciência e o soberano segredo”.


Zé Galdino, que entrou no palco logo após o show de Siba, foi recebido por um público caloroso, que dançou ininterruptamente ao som das suas cirandas, abrindo rodas em frente ao palco. Prestou homenagem, em suas rimas, a Chico Anysio, Sivuca, Azulão, dentre outros artistas. 


Os baianos do Baiana System entraram no palco por volta de meia noite e meia. O grupo, que já tocou no Rec Beat em 2011, utiliza a famosa guitarra baiana, criada por Dodô e Osmar nos primórdios dos trios elétricos soteropolitanos, e que é amplamente utilizada pelos músicos de axé. Aqui, a guitarra ganha um outro sabor, dialogando com influências claras do dub jamaicano e da música eletrônica. O experimentalismo dançante agradou o público que lotava o espaço em frente ao palco.


Fechando a noite, a Tribo de Jah, com seu já habitual séquito de seguidores, fez um show para fãs. Abriu a apresentação, por volta das 2h30 da manhã, com o hit “Uma onda que passou”, cantada em coro pelos presentes. 

Portal Pernambuco Nação Cultural

Eventos Culturais

Texto mais acessado

Vídeo mais acessado

Áudio mais acessado

Imagem mais acessada

Conteúdo sob Licença Creative Commons
Fundarpe - Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco
Rua da Aurora, 463/469, Boa Vista, Recife - PE - Brasil. CEP: 50.050-000. Fone: +55 81 3184.3000